Como Definir a Estratégia de Picking da sua Empresa

Picking é um termo em inglês que significa “escolhendo”. Nas empresas, o picking, ou order picking, é uma etapa da cadeia logística que consiste no recolhimento e na separação de produtos em estoque, de acordo com o fluxo de pedidos dos clientes.

Trata-se de um estágio importantíssimo e que demanda muita agilidade para que os prazos de entrega sejam cumpridos e o cliente tenha uma boa experiência de compra. No entanto, essa é uma das etapas logí­sticas que mais demandam mão de obra, o que a torna bastante cara.

Para compensar esses gastos elevados e se manter competitiva no mercado, a empresa precisa buscar a máxima eficiência possível, de modo que o tempo seja bem aproveitado e os erros sejam reduzidos ao mínimo.

Pensando nisso, os estudiosos da logí­stica vêm desenvolvendo diversas estratégias de organização do picking para facilitar a gestão da área e garantir a sua otimização.  Cabe aos gestores da área, então, decidir qual delas se enquadra melhor às suas necessidades.

1. Picking Discreto

Essa é a estratégia mais básica de picking. Nela, um operador do estoque recebe o pedido de um cliente e, sozinho, separa cada um dos produtos que estão contidos nele, ou seja, um só funcionário realiza todo o processo.

É uma estratégia simples e que tem uma chance de erro muito baixa, já que um só funcionário fica responsável pelo pedido todo. No entanto, é a estratégia com menor produtividade, pois quando um só operador tem de separar os produtos, ele precisa se deslocar entre as inúmeras prateleiras dos armazéns, que podem ser enormes, o que faz com que ele perca muito tempo.

 2. Picking por Zona

O armazém é dividido por zonas e cada uma delas fica sob responsabilidade de um operador. Nelas, são agrupados produtos com caracterí­sticas em comum para facilitar o processo de separação.

No picking por zona, quando um pedido chega, ele passa para o primeiro operador, que irá recolher os produtos de sua respectiva zona, e, depois, passará o pedido adiante para a próxima zona, onde o processo todo se repete até que toda a lista de pedidos tenha sido separada para enviar ao cliente.

O maior benefí­cio dessa estratégia é que, ao separar os produtos por zona, o problema da perda de tempo com deslocamento dos operários dentro do armazém diminui. Em contrapartida, é muito difí­cil equilibrar os artigos e equipamentos entre as zonas de forma igualitária, podendo acontecer de uma delas ficar sobrecarregada enquanto as outras estão com tempo ocioso.

 3. Picking por Lote

 Nessa estratégia, o operador aguarda o acúmulo de um certo número de pedidos antes de se deslocar pelo armazém. Quando esse número é alcançado, ele recolhe a quantidade de produtos necessária para atender a todos os pedidos de uma só vez.

Esse método aumenta a produtividade dos operadores, pois reduz o tempo perdido com deslocamento, no entanto, são maiores as chances de erros no momento da separação dos produtos coletados entre os pedidos.

4. Picking por Onda

 Cada operador fica responsável por separar os produtos de um pedido, assim como no picking discreto. A diferença é que, no picking por onda, a separação acontece em determinados perí­odos especí­ficos do turno de trabalho, de maneira previamente agendada.

O principal benefí­cio dessa estratégia é que, com ela, fica mais fácil conciliar o picking com as demais etapas da cadeia logística, como o packing e o envio, já que a separação dos pedidos ocorre em horários específicos.

Outra característica do picking por onda é que ele pode ser utilizado junto com outro método, como o picking por lote, por exemplo, otimizando ainda mais o desempenho da empresa.

5. Bucket Brigades

Devido às muitas reclamações sobre a desigualdade de trabalho entre os operadores depois da definição da estratégia de picking, alguns especialistas elaboraram um novo modelo, que ficou conhecido como bucket brigades.

Para evitar a sobrecarga de alguns segmentos do armazém, o bucket bridges propõe um autobalanceamento, fazendo com que a ocupação dos operadores se mantenha constante. Funciona através de um encadeamento, onde cada operador fica responsável por um pedido.

Quando o primeiro termina sua separação, ao invés dele ficar ocioso até a chegada do pedido seguinte enquanto os outros trabalham, ele assume a lista de pedidos do próximo operador na linha, que assume a do próximo, e assim sucessivamente. Dessa forma, todos os operadores se mantém ocupados constantemente, diminuindo as reclamações entre os diversos setores do armazém e otimizando a operação.

O Endereçamento de Estoque

Independentemente de qual estratégia o gestor resolva utilizar, é preciso que o armazém seja muito bem organizado para facilitar ao máximo o trabalho dos operadores e garantir o cumprimento dos prazos.

Se interessou e quer saber mais? Acesse esse outro post e descubra como você pode implementar o endereçamento de estoque no seu armazém.

Receba os conteúdos desenvolvidos pelos nossos especialistas: